Cantora gospel Ana Paula Valadão propõe boicote à C&A

A cantora foi alvo de críticas hoje, nas redes sociais, após publicar um texto mostrando sua indignação com relação à coleção lançada pela loja, que apresenta roupas sem gênero definido.

A proposta da empresa talvez seja acabar com o preconceito clássico de que, rosa é pra mulher, azul pra homem, determinada peça de roupa só usam as mulheres, dentre outros paradigmas. Mas é claro que muitas pessoas se sentiram incomodadas com a ideia, como se a forma do outro se vestir afetasse o seu modo de vida.

Criticar o posicionamento da loja é o mesmo que criticar alguém, determinando seu modo de vida pela roupa que veste. Está no mesmo nível do juíz que foi criticado no aeroporto pelas suas vestes. O modo de vestir para muitos está associado com o bem estar naquele momento, muitas pessoas não se vestem para os outros, mas sim para si mesmas.

Em um mundo de tanta diversidade a roupa fala aquilo que a mente quer. É só ver quantas roupas de bandas, cantores e sagas vemos por aí. Quantas frases marcantes, protestos e imagens vemos. Tudo isso em forma de tecido. Tudo isso para demonstrar algo.

E dizer que um simples tecido vai mudar a vida de alguém, e torná-la diferente, é pura hipocrisia. Ninguém é obrigado a comprar aquilo que não quer, se não te faz bem, não use. Deixe que o outro se expresse pelo menos nas vestes, pois é difícil se expressar no mundo de hoje. Aceite que sua cultura e criação não é a mesma que a do resto do mundo, a loja perde um cliente, mas ganha milhares de outros que ainda são silenciados por tantos.

Anúncios

Lula está para Mandela?

“A partir de agora, se me prenderem, eu viro herói. Se me matarem, viro mártir. E, se me deixarem solto, viro presidente de novo”, esta foi uma das últimas frases do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com relação às investigações da operação Lava Jato. A questão em si é que o então ex-presidente afirma estar de consciência limpa, e acha um absurdo que as investigações sejam voltadas para a sua pessoa, tudo isso por uma simples condução coercitiva imposta ao mesmo. O que não é nada, se comparado ao destino dado (merecidamente) aos envolvidos nos esquemas de corrupção investigados.

O problema é que, mesmo com todos esses escândalos envolvendo pessoas ligadas ao ex-presidente, e agora até mesmo à própria pessoa, ainda existem pessoas que defendem aquilo que foi feito por ele na época de seu mandato. Uma coisa é certa, Lula fez muita coisa pelo Brasil naquela época, nada mais do que a sua obrigação para com o cargo ocupado. E se hoje ele errou, deve ser tratado como todo cidadão que desobedece as leis impostas, independente se ele fez ou não coisas boas no passado, uma atitude certa não deve justificar outra errada.

Eis que surge o problema, a “regra de três” não tem lógica, já que, se Lula está para Mandela, a corrupção deve estar para a luta contra o preconceito racial? É óbvio que não, mas foi exatamente o que ele fez, se comparou a alguém que fez de tudo para o bem de uma determinada sociedade, e hoje será punido. A diferença é que Mandela foi preso e considerado um herói, mas não roubou dos cofres públicos, e sim lutou pelos interesses da população africana. Foi solto e se tornou presidente, mas não por falta de opção, e sim por mérito próprio. Morreu e se tornou mártir porque lutou pela igualdade, e não tirou o dinheiro de quem tanto precisa, para comprar um triplex, e dizer que recebeu como presente. Enfim, Lula está muito longe de ser comparado a Mandela, e muito distante do tudo aquilo que disse em sua frase.

Mas talvez esteja o mais perto possível de obter êxito, se a população não se conscientizar de que as coisas boas já se foram, e a crise atual, mesmo que não seja nada comparada às crises passadas, não condiz com um país em desenvolvimento. Por incrível que pareça a bolsa de valores teve alta, e o dólar queda, quando o ex-presidente foi levado à condução coercitiva. E não, o dólar não só vale para quem quer fazer viagens ao exterior e esbanjar riqueza por aí, como dizem muitos dos militantes pró-Lula. Vale lembrar que o Brasil possui uma economia baseada, principalmente, em atividade primária, e se o dólar sobe, tudo aquilo que é importado tende a aumentar de preço, e os commodities, exportados pelo Brasil, tendem a perder o seu valor no mercado internacional. Deve-se entender que essa luta não é contra a pessoa em si, mas contra a corrupção no cenário nacional, é uma luta de todos e para todos. O Brasil tem que se unir em busca do bem comum, e não aceitar atitudes que venham prejudicar outras pessoas menos favorecidas. Vale lembrar que um país só cresce, quando toda a população também cresce.

Na Rússia, crianças têm que jogar água fria em si mesmas, na neve, como exercício obrigatório da aula

Em uma região considerada extremamente fria na Rússia, a Sibéria, um exercício físico comum nas aulas de educação física da escola de Krasnoyarsk, é fazer com que as crianças da pré-escola joguem um balde de água fria sobre si mesmas.

Com temperaturas abaixo de zero, e apenas com as roupas de baixo, as crianças lançam sobre si mesmas um balde com água fria. Segundo dados de professores e funcionários da escola, as crianças que participam da atividade nunca apresentaram casos de gripe ou resfriado, e elas passam por acompanhamento médico, através de exames clínicos, antes de realizarem tal exercício.

A questão a ser esclarecida é que, apesar dos anos que estas crianças são submetidas a treino, ou mesmo que não tenham existido casos de crianças doentes, qual a real necessidade deste tipo de exercício em escolas, senão para criar futuros soldados, resistentes aos campos de batalha em seu país? E mesmo que existam resultados cientificamente comprovados, será que as crianças se sentem a vontade realizando esta atividade que ainda assim proporciona a elas uma sensação não muito agradável?

 

 

Brasileiro é detido caminhando nu, no Vaticano

(Foto: Reprodução/Youtube/Alvaro Torrico)

jdof basilica

Um enfermeiro paulista de 44 anos foi detido na segunda (4), na Basílica de São Pedro, no Vaticano, após caminhar nu dentro da mesma. Segundo um jornal italiano, o homem foi diretamente encaminhado a um hospital para avaliação, já que parecia estar desorientado.
Alguns visitantes da Basílica relataram que o homem usava apenas meias, tênis, e ainda carregava uma mochila preta nas costas. Alguns turistas disseram ainda que tal ato foi visto como uma forma de protesto, já que o homem disse ter esperado 17 anos para conseguir sua cidadania italiana, e chegou a dormir nas ruas. E para representar tal luta ele levantou os braços, e disse que não havia solidariedade em Roma.
Devido à grande burocracia, alguns ítalo-brasileiros encontram grandes dificuldades para obter sua cidadania italiana. Mesmo com o critério do sangue (“ius sanguinis”), em que apenas alguns descendentes diretos de italianos podem obter tal cidadania, este processo, na maioria das vezes, não é tão fácil como parece ser, e assim alguns apelam por vias extremas, mas o caso descrito acima foi o mais curioso, deste tipo de apelo, visto nos últimos anos.
O brasileiro teria caminhado pela Basílica e chegou próximo ao Baldaquino, sobre o altar Papal, mas logo foi contido por seguranças que o cobriram com um casaco, e assim o retiraram imediatamente do local deste incidente. A polícia ainda foi informada sobre o ocorrido, mas não se manifestou sobre. Segundo o jornal italiano “Corriere Della Sera”, o homem havia chegado a Roma há apenas alguns dias.

Então é Natal…

O Natal é uma data comemorativa reconhecida internacionalmente, em alguns países, esta data é imprescindível no calendário, talvez seja pelo fato de que, por ser uma data associada ao acontecimento cristão do nascimento de Jesus, representa o marco da revitalização, uma data em que todas as expectativas devem ser renovadas, e novas metas devem ser criadas.Além, é claro, dos interesses econômicos que essa data, assim como muitas outras, foram adquirindo ao longo do tempo.

Mas essa festividade é também vista com certo repúdio por determinados países e religiões. Na Arábia Saudita por exemplo, em 2012 cerca de 41 cristãos foram detidos pela polícia religiosa árabe, acusados de “conspirar para celebrar o Natal”, e alguns outros países proíbem qualquer manifestação de aspecto natalino nesta época, como o Tajiquistão.

Mas em território brasileiro esta celebração é a data mais esperada do ano, por todas as faixas etárias, e grande parte das religiões, que consideram a data como tempo de renovação. Há quem não goste, mas a grande maioria não perde a oportunidade de reunir a família, em algumas vezes agradecer ao Divino pelo que lhe foi proporcionado durante o ano, e enfim distribuir presentes e curtir a ceia. Analistas comprovam que esta data, no Brasil, é a época que mais movimenta o mercado consumidor brasileiro, em disparada.

Mas também existem aqueles que possuem uma mente um pouco mais solidária, e vivem verdadeiramente o espírito natalino, que é conhecido pelo ato de se doar em prol do outro. O nascimento de Jesus, para o catolicismo, não representa apenas mais um ser que veio ao mundo, mas sim daquele que mudaria o rumo das coisas, o bem em forma humana que veio fazer a diferença. Assim como aqueles que também pensam nos outros, e acabam doando aquilo que irá ajudar imensamente os outros e dar uma sensação prazerosa aos que realizam tal ato.

E pensando nisso as agências dos Correios, por todo o Brasil e todo ano, recebem cartas enviadas por crianças de todo o Brasil, que escrevem uma carta para o ‘Papai noel’, pedindo o que lhes seria mais agradável. E neste ano, assim como em muitos outros, algumas destas cartas emocionaram os que decidiram fazer o bem. Em Manaus, por exemplo, um menino pediu presentes não só para ele mesmo, mas também para o pai e o irmão, pedindo uma bicicleta para o este, um patinete para si, e um emprego para o pai. Em outro caso uma criança disse que gostaria muito de receber uma bicicleta, mas no momento a família precisava de alimentos, pois eles sequer teriam uma ceia digna de natal.

O importante mesmo é desfrutar destes aspectos tão agradáveis que esta data proporciona, mesmo que não venha de encontro com a religião dos outros, os aspectos positivos sempre vão de encontro ao bem comum. É tempo de renovar, principalmente em um ano tão conturbado como o que foi visto, é hora de analisar os fatos, e ver que o mundo não está, sem dúvidas, da forma que muitos queriam, mas a sociedade pode muito bem torná-lo um melhor lugar para se viver, aliás os avanços tecnológicos e científicos trouxeram tantas melhorias ao mundo, e as relações humanas, algo tão natural, estão se tornando algo surpreendentemente difícil de se estabilizarem. É tempo de paz, alegria, amor, afeto, e tudo de bom que todos possuem em seus corações, aliás o que seria do mundo sem um toque de todos estes bens.

França mais uma vez surpreendida, ainda há o que temer?

Sem dúvida este não foi, até agora, um ano bom para a França. Desde os acontecimentos de janeiro, onde a população foi alertada, da pior forma possível, de que a liberdade de expressão não é tão conveniente em toda e qualquer ocasião, até o dia de hoje, onde a população parisiense foi surpreendida com alguns atentados distintos em pontos com grande aglomerado de pessoas.

Durante o amistoso entre França e Alemanha, alguns torcedores ouviram explosões próximas ao Stade de France, local onde ocorria o jogo. Logo após o término, as organizações locais foram encarregadas de orientar a saída de forma cautelosa, e por vezes impedida, dos torcedores que ali se encontravam, sob risco de novos atentados como os cerca de sete que ocorreram de forma distinta no centro de Paris. O presidente francês François Hollande, que estava acompanhando o jogo diretamente do estádio, foi imediatamente retirado deste e guiado a um local seguro, já que não se sabe ao certo o principal objetivo destes atentados.

Até o fechamento desta divulgação, já existem registros de cerca de 100 mortos, e dezenas de feridos, incluindo dois brasileiros. O principal alvo destes ataques foi a casa de espetáculos Bataclan, onde foi registrado o maior número de mortos. Ao entrar neste local, a polícia relatou um cenário desolador e de completo caos. Uma jornalista encontrava-se naquele local e relatou, por meio das redes sociais no momento do ocorrido, que os atiradores eram muito jovens e estavam atirando para todos os lados, sem distinção.

O que alivia boa parte do problema é o fato de que a reação do governo francês foi extremamente rápida. A polícia local já está em busca dos suspeitos, o exército foi imediatamente acionado, e as fronteiras francesas foram fechadas até segunda ordem. Alguns jornalistas estão a caminho do local, mas provavelmente não irão obter êxito nesta tarefa, já que o país declarou estado de emergência no exato momento. O presidente francês foi evacuado de helicóptero ao Ministério do Interior, onde foi criada uma célula de crise.

Agora a todos, só resta aguardar o relato final do número das vítimas deste triste acontecimento tanto para a França como para todo o mundo, e que os culpados por este ato tão impiedoso sejam punidos da forma que convém. A França realmente não passa por um bom momento no que diz respeito às crises deste âmbito, mas espera-se uma reação rápida e eficaz desta que é uma das maiores potências do planeta, no quesito militar.

Participante do MasterChef Jr. edição Brasil, Valentina Schulz, é vítima de assédio em redes sociais

Muitas pessoas, hipócritas por mérito próprio, acreditam que se uma pessoa anda com algum estilo, considerado por aquela vulgar, ela está insinuando e, até mesmo pedindo, para ser estuprada. Uma terrível passagem, que é constrangedora apenas por ser citada, mas que ainda existe em pleno século XXI. Não há adjetivos para estes que defendem essa tese já que se fossem comparadas a outras espécies ou objetos, por exemplo, seria uma ofensa aos mesmos.

A cultura do estupro está presente em diversas situações, e nos mais variados tipos de sociedade. Para aqueles que ainda possuem um certo discernimento, já é grotesco alguém que tenha este tipo de pensamento, e jamais optaram por reconhecer que isto é algo completamente irracional. Mas pior que isso, é o fato de que estas pessoas expõem algumas destas ideias em rede social, difamando Valentina, de 12 anos, participante da primeira edição do MasterChef júnior, no Brasil.

Com relação a teoria daqueles hipócritas, será que ela ainda continua válida nesta ocasião? Será mesmo que uma menina de 12 anos está seduzindo alguém em um programa culinário, sendo que o objetivo por lá é apenas ser o melhor cozinheiro? Alguns acreditam que estes comentários são feitos apenas para descontrair, e até mesmo elogiar, de uma forma um tanto quanto excêntrica, a jovem cozinheira. Pensando por este lado,  talvez seja mesmo um elogio, assim como o “elogio” que é feito por aqueles estupradores que tentam aproximar de suas vítimas de uma forma um pouco mais delicada.

O fato é que, felizmente, ainda existem pessoas preocupadas com o futuro da nação e até mesmo do mundo como um todo. Pessoas como Juliana de Faria, fundadora de um coletivo feminista, e criadora da #PrimeiroAssedio, onde ela incentivou as pessoas de uma determinada rede social a contar os casos de abuso que elas sofreram ao longo da vida; e o resultado foi surpreendente, em menos de uma hora a hashtag já havia sido utilizada por mais de duas mil pessoas. A autora da tag contou em uma entrevista que quando era criança também havia sofrido com este problema, e que se surpreendeu com alguns casos contados por aqueles que usufruíram da sua criação e pela espontaneidade destes.

E para aqueles mau educados e informados, fica a dica com relação à jovem: É proibido por lei qualquer ato sexual com uma criança, mesmo com o consentimento da mesma, isso é considerado estupro. A hashtag citada foi criada com o intuito de conscientizar a sociedade do quão dolorido é a vida de quem já sofreu este tipo de ato, e espera-se que ela tenha um resultado impactante na sociedade. Vale lembrar que, não só as crianças e mulheres, mas todas as pessoas devem ter seus direitos preservados e respeitados, não existe ninguém que queira estes direitos sendo violados, mas as vezes é necessário que isso ocorra, como nos casos das pessoas que fizeram tais comentários com relação à jovem, e agora podem ter seu direito à liberdade não mais garantido até segunda ordem, no caso, judicial.

Alguns comentários que refletem a hipocrisia
Alguns comentários que refletem a hipocrisia
Comentários absurdos que, para alguns, nem parece ser de humanos
Comentários absurdos que, para alguns, nem parece ser de humanos